Fontes de Luz no Microscópio, entenda tudo sobre o assunto:


A iluminação de um microscópio é de extrema importância para a análise a ser executada e elas não são todas iguais, entenda as diferenças.


Halógenas


As lâmpadas de halogênio, ou ainda lâmpadas halógenas, são lâmpadas de microscópio que são consideradas, atualmente, um pouco mais datadas, por serem de uma tecnologia mais antiga, comparada com as opções atuais. As lâmpadas halógenas são mais “amareladas” e do ponto de visto técnico possuem uma temperatura de cor, de cerca de 3.000 kelvins. Embora hoje já existam lâmpadas para microscópios mais modernas, os microscópios com esse tipo de lâmpada ainda são amplamente comercializados, pelo seu valor mais acessível e pelo fato de serem facilmente substituídas. 
A correção do tom amarelado das lâmpadas de halogênio é facilmente corrigido com um filtro azul, o qual, normalmente vem acompanhado de qualquer microscópio com lâmpada halogéna.
As lâmpadas de halogênio, contudo, não são indicadas para certos tipos de ensaios e procedimentos, porque são lâmpadas que tem uma eficiente energética mais reduzida, gerando mais calor, e isso pode ser negativo para certas amostras biológicas, sobretudo na área de embriologia, onde a homogenidade da temperatura é primordial.


Led


As lâmpadas de led são mais modernas e portanto são mais eficientes energeticamente, gerando menos calor são mais indicadas para amostras biólogicas vivas. Apresentam um tom mais “frio” com temperatura de cor próxima à 6.500 kelvins, mimetizam, desta forma,  melhor a luz natural do que a sua antecessora halógena.
Devido à tecnologia mais recente a lâmpada de led, consome menos energia elétrica, e dura mais tempo, a desvantagem é que se queimar, normalmente é necessário um técnico para substituir, mas é evento raro, devido a sua qualidade.
De forma geral, não necessita de filtro azul, devido ser uma luz mais fidedigna em relação à iluminação natural, mas o filtro azul ainda poderá ser utilizado para conferir ainda mais cor de característica fria à amostra, quando necessário.


Fibra óptica, fonte de iluminação externa


As luminárias de fibra óptica são fontes de iluminação externa, a grande vantagem é o direcionamento luminoso, além de ser uma fonte complementar à iluminação convencional do microscópio. São também conhecidas como iluminadores “pescoço de ganso”, devido a suas hastes compridas que lembram a tal anatomia do animal. Comumente mais utilizada em microscópio estereoscópico, como auxiliar, mas também pode ser usada em microscópio biológico e microscópio metalográfico.

 

Iluminador anelador, próprio para microscópio estereoscópio. (Lupa)

Iluminador anelador para ser encaixado específicamente no estereomicroscópio, a vantagem é o encaixe preciso e é utilizado como iluminação complementar, normalmente é de LED, na atualidade.


Orientação Luminosa


A luz incidente é a luz de cima para baixo, a fonte de luz é superior, é mais utilizada em estereomicroscópio, microscópio petrográfico e microscópio polarizado.
No caso da Luz Transmitida, isto é de baixo para cima, a fonte de luz é inferior, é o tipo mais comum de orientação luminosa, no caso dos microscópios biológicos, mas pode ser empregada em outros modelos tais como o microscópio estereoscópio, o microscópio metalográfico e o microscópio petrográfico. A luz atravessa a amostra e o usuário do microscópio a visualiza nas oculares.


Auxiliares da iluminação


O condensador e o diafragma do microscópio são auxiliares na qualidade das análises e ensaios de um microscópio e podem ser ajustados, afim de  otimizar a visibilidade de uma amostra. Para utilizar, o usuário, necessita normalmente, de certa experiência para manejar tais acessórios e melhorar a condição luminosa na amostra, essa diferença é essencial para uma análise bem feita e visualizar melhor os elementos em questão.

Artigo escrito por Thiago Lioi, CRBio 094181/01-D, todos os direitos reservados à Laborana, é proibida a cópia.
 


Voltar